2

Políticas

Públicas

A economia da Bicicleta no Brasil

Dividida em três temáticas, Infraestrutura de Circulação, Infraestrutura de Estacionamento e Sistema Público de Bicicletas Compartilhadas, esta dimensão trata da participação econômica da bicicleta a partir do modo como ela é tratada no poder público, de forma direta e indireta.

2.1

Infraestrutura de Circulação

 

Compreende as atividades envolvidas na provisão e manutenção da infraestrutura e destinadas ao deslocamento por bicicleta, como ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas.

Por meio dos gráficos  a seguir, é possível entender o quanto cada capital investiu e implantou em ciclovias e ciclofaixas, além da representação do valor empregado por número de habitantes. Os dados foram obtidos por meio de levantamento feito em Diários Oficiais, informações junto a Prefeituras e dados do IBGE

2.2

Estacionamento

 

Esta temática envolve a implantação e manutenção de infraestrutura voltada à parada e guarda de bicicleta em áreas e serviços públicos, tais como bicicletários e paraciclos, que podem ou não ser providos pelo poder público.

Embora a metodologia aplicada não indique um panorama preciso e de escala nacional, uma vez que há pouca disponibilidade de dados referentes ao tema em fontes oficiais, é possível entender que a infraestrutura de estacionamento ainda se mostra pouco incorporada às políticas públicas

2.3

Sistema

Público de Bicicletas Compartilhadas

 

Os indicadores selecionados para representar essa temática referem-se aos custos e investimentos realizados no setor, envolvendo a iniciativa privada e o poder público.

Os dados foram obtidos  por meio de um mapeamento total do número de sistemas públicos existentes no Brasil e a sua abrangência por meio do número de estações e bicicletas. Os dados foram levantados em múltiplas fontes como websites e aplicativos para celular de cada sistema.

Estudo de caso com duas empresas operadoras de bicicletas compartilhadas